Pombas do Centro

As moradoras mais curiosas dos grandes centros são as pombas, Voando e sobrevoando, indo e voltando nas faixas de pedestres, elas são muito engraçadas. Brincam com o fator vida-morte e parecem que sabem que a maioria das pessoas sentem todo tipo de coisa sobre elas, irritação e nojo, são as principais entre elas.
Os córregos e rios, também os talhados das casas parecem que afirmam que a cidade é delas. Não adianta odiá-las. Como boas pompas elas são persistentes, e pessoalmente gosto delas.

Não se intimidam com as pessoas que as enxotam, ao contrário, fazem até pose para as fotos!

São bisbilhoteiras, caricatas e vaidosas. Ao pôr do sol se exibem ainda mais, e a as calçadas sujas do centro com suas pedras centenárias e encardidas ficam ainda mais poéticas com elas sobrevoando para lá e para cá, enquanto a luz dourada ilumina a cidade.

Centro sem pombas não são centros.
Outro dia presenciei uma pomba sendo atropelada. Chorei. Sim, eu gosto delas. Disse a mim mesma que não olharei mais quando avistar uma pomba atravessando a rua e ela estava correta atravessando na faixa.
Centro sem pombas não são centros.

Exibições: 14

Responder esta

Respostas a este tópico

Rsrsrs. Também adoro pombas!
Um beijo,

Também gosto delas! A natureza me encanta! Parabéns pelo texto, querida!

Tadinha... atropelada ...
Você tem razão. Nunca havia pensado nisso,mans centro sem pombas não é centro !
Muito bom.
Bjss Wau

Responder à discussão

RSS

Editora Casa da Poesia

   Vol. 4 - Pré-lançamento

Livros à Venda
CLIQUE AQUI

PARCEIROS

Acesso ao CHAT da Casa

              Clique Aqui!

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Badge

Carregando...

© 2017   Criado por Casa da Poesia*.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo